DEU MATCH? UMA ANÁLISE SOBRE COMO AS MARCAS SÃO UTILIZADAS COMO AUTOCONCEITO E ESTILO DE VIDA EM APLICATIVOS DE RELACIONAMENTO

  • Cínthia Sayuri Etto
  • Rodolfo Ribeiro
Palavras-chave: aplicativos de relacionamento, autoconceito e estilo de vida

Resumo

Os aplicativos de relacionamento têm despertado interesses de pesquisa em diversos pontos da sociedade. Há estudos variados sobre este objeto, como a era dos amores líquidos; a “cardapialização” dos afetos e até mesmo assuntos ligados a imagem da mulher dentro desse contexto digital. O presente estudo tem como objetivo levantar como as marcas influenciam na definição do estilo de vida e autoconceito dos usuários de aplicativos de relacionamento. Esse estudo foi feito mediante uma análise de 100 perfis de usuários do Tinder, aplicativo mais popular do segmento na cidade de São Paulo. Os resultados foram obtidos por meio de análise qualitativa, demonstrando quais são as marcas predominantes nas biografias e para explicação de tais resultados, foram expostos os segmentos em que essas marcas se encaixam.

 

Referências

AMARAL, A. B. D. et al. Amor na era dos aplicativos Os aplicativos de relacionamento são tendência e podem tomar até uma hora e meia do seu dia. Instituto de Psicologia, USP, v. 49, n. 108, ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2019.
AUGUSTO JÚNIOR, Sílvio. Análise sobre a Mediação e a Midiatização do Aplicativo Tinder, São Paulo. 2015.
BONAMINO, A., Alves, F., Franco, C. and Cazelli, S. (2010). Os efeitos das diferentes formas de capital no desempenho escolar: um estudo à luz de Bourdieu e de Coleman. 15th ed. Rio de Janeiro.
BOURDIEU, Pierre; A Distinção: Crítica social do julgamento. 1. ed. [S.l.]: Zouk, 2007. p. 83-99.
BUSINESS OF APPS. Tinder revenue and usage statistics (2018). Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2019.
CANAL TECH, R. (2018). 700 mil apps foram removidos da Google Play em 2017 [online] Canaltech. Disponível em: Acesso em 9 Jun. 2019
CARVALHO, D. T. D. et al. Aplicação do Sistema Psicográfico VALS-2 em Alunos de Pós-graduação de LondrinaPR e Uberlândia-MG. BDPI USP, Rio de Janeiro, jan./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2019.
CAVALLET MENGARELLI, A. and Raittz Cavallet, S. (2008). Dimensões do relacionamento entre autoconhecimento e marcas nas representações de consumo de adolescentes. [online] Anpad.org.br. Disponível em: Acesso em 12 Jun. 2019
FREITAS, A. and Bertrand, H. (2011). Uma Grounded Theory para a implementação do e-learning nas escolas de gestão do Brasil. [online] ANPAD. Disponível em: Acesso em 8 Jun. 2019
JOHANSEN, Igor Carallini. Proibida a entrada: Campo social, habitus e estilo de vida das “famílias quatrocentonas brasileiras” à luz da teoria de Pierre Bourdieu. São Paulo, 2013.
KOTLER,P. Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, 1998.
PORTAL DO MARKETING. O modelo vals 2. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2019.
ROSA, N. (2018). Número de aplicativos na App Store apresenta queda pela primeira vez. [online] Canaltech. Disponível em: Acesso em 8 Jun. 2019 17

SCHOLZ, Robinson Henrique. Habitus de classe expressado pelo capital simbólico: uma revisão da obra de Pierre Bourdieu A Distinção. Ciências Sociais Unisinos: subtítulo da revista, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 88-91, jan./2019.
SETTON, M. D. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 60-69, mai./2002. Disponível em: . Acesso em: 3 jun. 2019.
SOLOMON, Michael R.. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 11 ed. [S.L.]: Bookman, 2016.
SOUZA, Ana Luísa. Mas, afinal, o que é o Tinder? – Um estudo sobre a percepção que os usuários têm do aplicativo, Rio de Janeiro. 2016.
SOUZA, Ana Luiza De Figueiredo. Mas, afinal, o que é o Tinder? – Um estudo sobre a percepção que os usuários têm do aplicativo. Verso e Reverso, Rio de Janeiro, v. 30, n. 75, p. 186-195, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2019.
TECH TUDO. O que é tinder? veja como funciona o app de relacionamento. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2019.
VEIGA-NETO, Alípio Ramos. Um estudo comparativo de formas de segmentação de mercado: uma comparação entre VALS-2 e segmentação por variáveis demográficas com estudantes universitários. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 11, n. 1, jan./mar. 2007.
Publicado
2020-04-05